Início    

 
 
 

      O sentido da vida

 

Todos nós precisamos conhecer, pensar e decidir nesta vida em “ser ou não ser” gente, ou em outras palavras, existir ou não. Parece uma questão boba, mas eu tenho tantos alunos que acham bonito ser bobo que discutir sobre o que querem da vida, expondo o que a humanidade tem de melhor sobre a metafísica está se mostrando necessário. Nós vamos obter algum resultado? Vamos tentar com vontade? O nosso foco é a educação do aluno quando ele quer ser livre, e portanto, co-autor de si mesmo.

 

 

  

 

Autor da própria aprendizagem como opção de sobrevivência

 

Talvez os seus pais tenham te dado o melhor dos exemplos, sido presentes, conversado contigo quando você errou, explicado muito sobre a vida antes de ser preciso, talvez eles tenham te deixado de castigo quando você não quis escutar direito e se te bateram foi apenas quando você não deu outra escolha para eles. Os meus pais fizeram a tarefa deles direito e eu também fiquei esperto para que tudo se resolvesse da melhor forma possível, e deu certo... Nem todo mundo teve essa sorte, mas todos possuem a escolha de que tipo de pais vão ser com seus filhos. Qual será a sua escolha?

 

  

 

Quem se interessa por alguém, cobra de forma sensata essa pessoa e também lhe dá responsabilidade. Amar é ser chato quando preciso, enquanto deixar quieto para não ter amolação é entregar para o diabo... As regras são necessárias para se respeitar o outro e a si mesmo também, a frase “disciplina é liberdade”, quando bem empregada, mostra que a auto-disciplina é necessária para que a pessoa seja livre dentro de si, ou então será mais uma escrava de desejos fúteis e do próprio mal gosto. Se você não recebeu um bom referencial de seus pais, então cuide você mesmo da sua própria educação se te interessar colher os bons frutos, com abundância, que possa te dar.

 

Isso pode parecer impossível, mas como exemplo eu vou te encorajar contando de algo chamado auto-sugestão. Faz alguns anos que eu assisti um documentário falando de um homem na Grécia antiga que produzia leite, e sabendo disso um pesquisador resolveu testar se isso era fato ou mito. Então ele se concentrou em um lado, o outro ele deixou como controle, e viu que aumentou ligeiramente de tamanho e saia leite, que amamentou a sua filha recém nascida. Lógico que a mulher dele produzia mais! Eu não quero que você faça o mesmo, se até isso é possível, você pode mais que imagina.

 

  

 

O lado negativo da autor-sugestão são as doenças psicossomáticas, que por causa de sofrimentos psíquicos a pessoa chega a desenvolver doenças físicas. A primeira vista parece algo sobrenatural, mas se a ansiedade libera adrenalina nas glândulas supra-renais, então por que não seria possível atrapalhar o organismo um forte sofrimento emocional? Todos os médicos sabem que isso não é frescura e pesquisas indicam como a recuperação de doentes em casa é bem mais rápida do que no hospital. Quanto mais você conhecer a si mesmo, mais dono de si você será!

 

Uma forma corrompida de sugestão é a lavagem cerebral, onde uma pessoa pode se aproveitar de um prisioneiro de guerra, de alguém com auto-estima baixa ou da sede por poder e oferecer a solução para o seus problemas, mas nisso reprogramar a pessoa. Ela perde o senso crítico na mão desse novo líder por causa da cegueira emocional, por causa da pressão psicológica e sedutoras promessas. Tem muita seita que age assim... E assim, Joseph Goebbels, ministro da propaganda nazista, dizia que “uma mentira cem vezes dita torna-se verdade”. Será que você está livre disso?

 

A mente aprisionada pela lavagem cerebral e o ministro da propaganda nazista.

 

A nossa sociedade é hedonista, ou seja, ela vive em função do prazer, o que de certa forma também é uma lavagem cerebral porque escraviza a pessoa emocionalmente em ilusões do que seja o prazer. Isso pode ser no exagero pela comida, nas baladas que nunca saciam, pornografia, nas novelas, em falar da vida dos outros... Tem sempre uma forma estúpida de se sentir prazer, por exemplo com tantos canais que existem na TV hoje a pessoa escolhe o mais nojento possível, admite que não presta e não consegue parar de assistir. Dizem que “você é aquilo que come”, então quem come porcaria todo o dia com os olhos só pode ser o quê então? Assista coisas melhores!

 

O prazer é bom e necessário, mas se, e somente se, ordenar a sua vida para um sentido maior do que ele mesmo, ou tudo se esvazia e vira escravidão. Quantas pessoas buscam se saciar nas drogas e nunca são capazes de completar algo dentro de si que só na fé vão conseguir a resposta? Por isso o nosso ser precisa ser alimentado com coisas boas ou vamos querer agir corretamente e não vamos conseguir por estarmos fracos demais. Mesmo se tenho força de vontade devo saber dos seus limites e ser inteligente. Se tenho dificuldade de ser fiel à minha esposa, então devo evitar certas pessoas para conseguir ser fiel e não destruir o lar de meus filhos. Eu tenho opção.

 

 

Quando nós dizemos que “disciplina é liberdade” é justamente isso! Quando queremos defender os nossos próprios interesses (o que é justo!) a escravidão do hedonismo nos força pisar sobre os direitos dos outros e fica fácil sucumbir ao pensamente que “os fins justificam os meios, para quem não tem de temer as conseqüências” (Maquiavel). Se os valores não forem firmes frente ao hedonismo, por que a pessoa deveria temer as conseqüências de agir errado se acha que ninguém vê? Algo somente é justificável pela própria verdade que, logicamente, anda por um caminho autêntico.

 

Eu não posso viver somente buscando um prazer imediato e só me segurar para evitar punições desagradáveis, um dia a consciência tem de andar sozinha. É como andar de bicicleta, usamos as rodinhas até termos o próprio equilíbrio e depois não precisamos mais das rodinhas, das regras externas. Eu me lembro muito bem de quando era criança, sabia muito bem o que fazia. Por isso não tente me enganar, eu sei que você é capaz se quiser! Então um marmanjo de 15 a 17 anos sabe muito bem o que faz, apesar de que muitos educadores dizem que vocês não possuem idade de discernimento... 

                         

EGO                             SUPER EGO                             I.D.                   

 

A psicologia ensina que a mente humana se apresenta de três formas: o ego, o super ego e o i.d., que significa desejos inconfessáveis. O ego é o “eu”, como você realmente se comporta na frente dos outros, o super ego é o que você só acha que é ou diz que faz, enquanto o i.d. são coisas que não conta, mas passa pela cabeça de todo mundo. Porém só dá atenção quem quiser... Pense, um garoto quer chegar perto de uma garota, ele pensa que consegue e diz para os amigos que vai arrasar, isso é o super ego, mas quando chega perto dela fica murchinho, isso é o ego, então ele bebe demais e acorda com um travesti, mas não conta isso nem matando, isso é o id.

 

Com todos esses conhecimentos de psicologia eu quero que você tenha autonomia e tome as rédeas da sua própria educação. Alimente o seu ser com informação que presta para que o seu ego seja mais forte e não mais um escravo da cultura hedonista. A nossa auto-estima deve ser um fruto das coisas boas que já fizemos e não o resultado de uma mentira cem vezes dita por propagandas vazias de valores, de que a TV está cheia... Você vai contar com quem? Talvez os seus pais possam te ajudar, ou é eles que mais precisam de ajuda... Eu não posso lutar por você, só posso compartilhar o que sei.

 

Indo para onde o natural toca o sobrenatural

 

A física nasceu da filosofia e o primeiros filósofos eram físicos porque refletiam sobre a natureza. Por isso vamos falar de metafísica, uma palavra de origem grega que significa  além da natureza, ou seja, é o estudo das questões últimas, onde a razão se pergunta do sobrenatural. Isso não é pregação religiosa, mas uma reflexão racional sobre os seus argumentos que faz parte da filosofia e é estudada por pessoas de diversas religiões, e por ateus inclusive. Seja qual for a sua crença, ou até a ausência desta, a metafísica vai te ajudar a entender melhor ela. Vamos adiante?

 

Aristóteles dizia que “todo homem, por natureza, quer saber” e a metafísica se questiona se Deus existe ou não, se podemos conhecê-lo, se existe livre-arbítrio, qual a relação entre a mente e a matéria... Aristóteles acreditava ser possível saber, mas nem todos, por exemplo, Górgias discordava e dizia que “o ser não existe, se ele existisse não poderíamos conhecê-lo e ainda se pudéssemos conhecê-lo não poderíamos comunicá-lo aos outros”. Este ser em questão pode ser lido como Deus. Górgias era um cético radical e como todo cético questionava se era possível ou não saber algo.

 

 

 

As religiões se dividem primeiramente em teísmo (Sei que Deus existe!), agnosticismo (Não se pode saber se Deus existe ou não...) e o ateísmo (Sei que Deus não existe!), depois o teísmo vai se dividir em monoteísmo (Há um só Deus!), politeísmo (Há vários deuses!) e o panteísmo (Tudo é Deus, criador e criatura são a mesma substância!). É do monoteísmo que fazem parte o judaísmo, o cristianismo e o islamismo, que acreditam no mesmo Deus de Abraão. Essa classificação ajuda a se localizar e se for verdade que todo ser humano, por natureza, quer saber, então você gostou de conhecê-la.

 

Vamos falar um pouco da religião de Albert Einstein, que muito falava de Deus, mas em um sentido poético apenas porque ele não acreditava em um Deus pessoal, ou seja, que fosse alguém. Einstein era ateu e se referia a Deus quando falava das leis da natureza. “Não faz sentido rezar para a lei da gravidade” (Carl Sagan). Einstein disse: “Sou um descrente profundamente religioso. Isso é, de certa forma, um novo tipo de religião”, e em outro momento: “A idéia de um Deus pessoal me é bastante estranha, e me parece até ingênua”. Eu não concordo com Einstein, mas devo respeitar sua opinião.

 

As questões levantadas por Santo Agostinho contribuíram para formar o conceito

de legítima defesa, parte importante de todo sistema jurídico do mundo.

 

Então, a legítima defesa se baseia em querer o bem maior e se preciso fazer algum mal, por falta de opção, se deve escolher o mal menor. Se um bandido tentar te matar e a única forma de salvar a sua vida for matar o bandido isso não é pecado, desde que não haja outra opção, nem o desejo de matar e se use apenas a força necessária para se defender. De uma outra forma, o martírio é quando a pessoa entrega a sua vida em um contexto cujo sacrifício pessoal trará mais vida aos seus irmãos de fé do que o uso da sua legítima defesa, assim se escolhe o bem maior que é a salvação das almas.

 

Mais uma questão importante de que nós devemos falar é a do homossexualismo, pois mesmo isso não fazendo parte dos pensadores antigos isso faz parte da nossa realidade e devemos usar a razão nesse assunto. Um cristão deve se perguntar o porquê existem na natureza biológica vários seres com um comportamento homossexual, se o mesmo Deus que as criou, segundo o texto bíblico (Lv 18,22; Rm 1,27), demonstra não aceitar tais coisas. Essa é uma questão lógica intrigante para o cristão que acredita ser possível respeitar as pessoas mesmo discordando das escolhas delas.

 

Existe o homossexualismo entre golfinhos, leões, pinguins e vários outros animais,

entretanto também é encontrado: poligamia, insesto, pedofilia, estupro e canibalismo. 

Em gêmeos idênticos, se um for homossexual há 50% do outro ser e 50% de não ser.

 

Tomando por base o cristianismo, eu posso usar da mesma lógica e pensar que, se Deus deixa que pessoas nasçam com as mais diversas dificuldades também poderia deixar ter uma tendência biológica para tal como sendo a tarefa entregue a ela para ser superada e dar exemplo de coragem aos demais. Penso que haja diferenças entre a natureza biológica e a da alma, que a pessoa tem escolha e que Deus nos chama para algo melhor. Acredito que, também, há pessoas que escolhem o homossexualismo por desejo próprio ou aceitaram influência de amizades, e não por força biológica.

 

Outra coisa que me pergunto é: Porque Deus permite a existência dos maus? Penso que Ele criou todos os seus filhos bons e lhe dói os ver escolher a maldade por vontade própria. Ele quer que mudem e dá tempo à eles, alguns voltam. Aqueles que não voltam ainda são úteis para mostrar as conseqüências da maldade e assim fazer com que outros entendam ou se enxerguem, e voltem. A vida eterna é tão preciosa que vale o esforço para se salvar um irmão por toda a eternidade. Se você ama o Pai, então quer salvar o máximo de seus filhos. E “o que não te destrói, te fortalece”.

 

 

 

Só consigo pensar que essa vida é, justamente, para conhecer e decidir se você quer a Deus tal como ele é. E se fosse o principal motivo aproveitá-la, então porque nasceriam pessoas deficientes? Penso na frase: “Viva cada dia como se esse fosse o último!”, mas em um contexto cristão seria: “Viva cada dia como se fosse a véspera do julgamento da sua alma...” e isso me lembra a frase que eu vi escrito, de longe, na caixa d'água de uma igreja evangélica: “Volte para Jesus. Antes que Ele volte”. Você não é obrigado a acreditar nisso, mas a incoerência de quem acredita está prejudicando a minha aula!

 

Aprender sobre o aprendizado lhe permite aprender melhor

 

Agora que você já viu uma parte de psicologia, outra de filosofia e vamos ver uma sobre pedagogia, ou seja, vamos falar de ensino. Uma forma de ensinar é o método inventado por Sócrates, a maiêutica, que significa parir, isso mesmo, a mãe de Sócrates era uma parteira e ele fazia os seus alunos parirem as idéias por meio de perguntas. Assim, de forma desconfortável, o aluno chegava ao conhecimento e depois não precisaria de um professor lhe dando tudo mastigadinho. Em “Chaves”, o professor Girafales usava isso com os seus alunos, mas sem inteligência essa técnica não funciona.

 

Um aluno de Sócrates era Platão, este escreveu o mito da caverna, uma estória sobre homens presos em uma caverna que viam apenas as sombras do mundo, mas um deles escapou e descobriu como o mundo era de verdade. Quando ele voltou para libertar os seus amigos, estes o chamaram de louco e depois o mataram. Nos quadrinhos a seguir temos essa estória adaptada aos dias atuais e bem que poderia ser aplicada à escola, porque todo o tesouro, a sabedoria, que nós,  professores, tentamos compartilhar é cotidianamente ridicularizado. Não é a toa que o mundo é o que é!

 

 

Antigamente o ensino escolar era só disciplina e saber responder perguntas simples, tal como decorar as capitais dos países. Toda a matéria era passada em aulas para que o aluno a absorva e havia uma prova final para ver se ele aprendeu para ser aprovado ou reprovado. Cópia de partes de livros era bom para fixar na memória. Queremos pessoas que pensem por conta própria e queremos desenvolver isso na escola, além de que todos possam estudar e a educação não seja um privilégio apenas das famílias ricas. Muito mudou para melhor, mas a ingratidão hoje piorou.

 

Hoje queremos que os nossos alunos interajam, trabalhando em grupo para aprender com seus próprios colegas, pois na mesma região de desenvolvimento a proximidade dá grande vantagem no aprendizado. As provas não cobram mais respostas curtas e memorizadas e sim o raciocínio sobre a informação, ou seja, a capacidade de entender, o que é algo mais útil na vida em qualquer profissão. Agora o aluno deve construir o seu conhecimento, como um projetista e não como mero espectador. Alguns professores tentam evoluir... Qual desses, a seguir, são os seus?

 

 

Já faz vários anos que mudaram a forma de elaborar questões nos vestibulares e os livros escolares ficaram muito melhores, não apenas em figuras, mas a linguagem do texto evoluiu muito. Com esses novos métodos não se trata de explicar, lousa e prova somente, o professor deve ser muito mais criativo. Na teoria tudo parece lindo... Mas na prática não é bem assim, eu já fiz coisas lindas em apresentações com datashow e tive bagunça e apatia. Se não podem reclamar, dormem. Ou levar para o laboratório de informática seria muito bom, mas há bagunça e descaso do mesmo jeito.

 

É verdade que os bons alunos aproveitam, mas eles não conseguem mudar o clima da sala e assim isso não serve de incentivo para professor algum em continuar a fazer um esforço extra. Quando eu era um aluno também não compraria essa briga, sempre achei uma forma de contornar sem sobrar para mim e hoje sinto a falta de fazer valer os meus direitos. Talvez esse seja o erro dos pais que aparecem na escola e dizem ao diretor que não sabem o que fazer com os seus filhos. Estes já deviam chegar na escola sendo gente o tempo todo, mas ninguém quer ter a obrigação de fazer isso.

 

   

 

Inverter essa situação é um grande desafio, e pior quando os especialistas em educação não possuem noção da realidade. É como se eles dissessem: “Pobrezinho dos políticos corruptos, eles sofrem de déficit de honestidade”, quando dizem que aquele aluno até é bom pela criação que teve ou que o irmão era pior; o mesmo em: “Caro policial, você deve enfrentar os bandidos com spray de pimenta e choque elétrico, mesmo se eles estiverem com um fuzil, agora as regras são essas, se você não concordar vá embora”, quando não podemos mais contar com os pais de grande parte de nossos alunos porque é como se eles não existissem. O duro é que essa última parte é verdade!

 

Como resolver isso? Eu concordo que batalhar por impor mais disciplina é necessário, mas isto não é a solução, um bom estrategista sabe que não se deve lutar em terreno inadequado e nem pode depender de blefe. Penso que, ao se tratar de uma corrosão do sistema seria melhor agir como a Rússia no final da Guerra Fria, ou seja, com mudanças chamadas perestroika e glasnost, que significam reconstrução (em abertura econômica) e transparência. A relação professor-aluno precisa de abertura e transparência para que o trabalho encontre bases sólidas e assim o esforço de mudar o clima da aula dê fruto. Toda essa aula virtual é um dos esforços que está sendo feito.

 

Grandes idéias em um mundinho isolado não transformam o mundo, fale e compartilhe

o que há de bom em você. Veja como é melhor se cobrar o que todo mundo já sabe!

 

Nós somos a geração Y e temos de usar as nossas armas! Nascidos nas décadas de 1980 e 1990, com videogame, internet e celular, nós possuímos um cérebro com mais capacidade de interação e velocidade para lidar com informação; isso quem aproveitar o potencial! É uma triste verdade que a maioria dessa geração não pode contar com os pais, mas também nunca enfrentou o choque de gerações, de forma a poderem chegar mais perto do coração deles do que as gerações anteriores. Hoje são os pais que buscam o afeto de seus filhos, antes eram os filhos que tinham que buscá-los.

 

A geração anterior é a X, nascidos nas décadas de 1960 e 1970 são contestadores de autoridade, criaram a liberdade sexual e muitos não acreditavam em Deus. Isso foi mais forte na Europa e EUA. Antes deles foram os “Baby Boomers” que significa filhos dos “Baby Boom”, a explosão de bebês do pós-guerra, nasceram nas décadas de 1950 e 1960, cresceram com a TV e foram idealistas e pacifistas. Cada geração cresce em um mundo diferente das outras e define o rumo desse mundo, além de colher as vantagens e desvantagens de sua época. Qual será a nossa escolha?

 

Para vencer uma batalha é preciso de estratégia

 

 Quando pensamos em cidadania precisamos olhar a falta dela, pois a palavra idiota, em grego, significa homem privado, em oposição ao homem de estado ou homem público. Assim uma interpretação mais atual seria aquele excluído da cidadania ou pior, aquele que se exclui. Digo isso porque para vencer é preciso superar obstáculos e conhecer como eles realmente são nos deixa mais forte contra eles. Esse é o caso do bullying (bull = touro), pois ao saber que a pessoa inferniza os outros porque é só isso que ela tem dentro de si, então ela terá menos força contra você!

 

   

Aquele que mais anima os outros é porque mais precisa ser animado, tal como aquele

que inferniza os outros é para compartilhar a miséria que tem dentro de si.

 

É bom saber dessas coisas porque “nenhuma mente que se abre para uma nova idéia volta a ter o tamanho original” (Albert Einstein) e devemos usar dessa inteligência, pois nesses tempos “não pergunte o que o seu país pode fazer por você, mas o que você pode fazer pelo seu país” (John F. Kennedy). Isso porque não podemos nos satisfazer em ficar só na média, já que “a mediocridade ofende o Espírito Santo” (Papa Paulo VI). Porque isso? “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons” (Martin Luther King Jr.). Não tenham medo das dificuldade, porque “grandes almas sempre encontram forte oposição de mentes medíocres” (Albert Einstein).

 

Parte dessa solução é ser gente o tempo todo, porque “qualidade significa fazer certo quando ninguém está olhando” (Henry Ford). Somente sendo gente você vai ter algum aprendizado, que lhe dará qualidade de vida de imediato e a longo prazo. Eu digo de imediato porque a satisfação de saber é um prazer saudável e necessário, mas que os indivíduos desprovidos de cidadania (leia como quiser...) não são capazes de senti-lo por causa da escravidão do hedonismo. Eles infernizam porque quem não possuem uma vida para cuidar, então ficam cuidando (ou estragando...) da vida dos outros.

 

       

Profissionais com pouco estudo são mais facilmente explorados e até os gênios passam

 dificuldade para serem valorizados, como se vê no boletim de Albert Einstein.

 

Uma estratégia de minar a força do inimigo vai obter melhor resultado se você lhe der a chance de mudar de lado. Um inimigo a menos é um aliado a mais! O que é diferente de pôr o dedo nas feridas de alguém, porque você se tornaria pior, apenas deixe-o saber que você entende o porquê desse inferno e saiba acolhê-lo se houver uma mudança dos maus valores que levam à esse comportamento. Mas não se iluda ao ter compaixão, pois como você viu no mito da caverna, o mundo é o que é porque é o que as pessoas querem. O Diabo foi criado bom por Deus e se tornou mau por sua  própria vontade, então nem sendo perfeito você vai mudar a escolha dos outros.

 

Outra forma é a tática de guerrilha, onde a se enfrentar um inimigo mais forte, como no caso em que o Vietnã conseguiu expulsar os EUA de seu território. Como eles não podiam enfrentar diretamente os americanos, então usavam o conhecimento do território com camuflagem e emboscadas. Usaram até da mídia para que o povo dos EUA visse o que acontecia e fizessem protesto contra a guerra. E funcionou! Vocês podem estudar mapas da escola e da sala, construir alianças com outras panelinhas e se manterem dentro do campo de visão do grupo para proteção.

 

                          
- O que vamos fazer hoje a noite, Cérebro?                                                             
- A mesma coisa que fazemos todas as noites, Pink. Tentar dominar o mundo!

 

Sobre a tática da terra devastada, trata-se de destruir tudo o que o seu inimigo possa usar contra você em seu próprio território. Quando Aníbal tentou invadir Roma com os elefantes, o general Pompeu queimava as plantações e envenenava os poços para que ele não pudesse usá-los, levou tempo, mas Pompeu o venceu. Depois os Russos fizeram o mesmo contra Napoleão e deu certo também. Vemos isso quando uma pessoa se irrita com um apelido e justamente por isso ele pega, mas se ela não se importar logo pára. Saiba não ser platéia de que te prejudica e conspire contra a reputação dos heróis dos baderneiros, fazendo o possível para o clima não ajudar o seu oponente.

 

Como diria o chinês Shun Tsu, “na paz prepara-te para a guerra e na guerra prepara-te para a paz”. Como a nossa guerra é interior devemos nos perguntar antes de dormir: Em que esse dia foi útil? Quantos dias ainda terei? É o exercício diário e a estrutura interna que são vitais para vencer uma guerra. Maquiavel comenta de um nobre que sempre ia caçar com seus soldados, para mantê-los treinados com a pontaria, adaptados ao clima e íntimos do território. Esse nobre caminhava pensando em como se defender em cada colina e qual a melhor forma de atacar o inimigo se ele estivesse lá. Assim a indústria dos EUA foi fundamental para vencerem a 2ª Guerra Mundial.

 

 

Um monge sonhou que era uma borboleta voando pelo campo, quando acordou pensou se na verdade ele não seria uma borboleta sonhando que era um monge. Isso nos faz refletir sobre o que é real ou não e, talvez, como estamos aceitando como real o que nos interessa e isso seria hedonismo. Porém o gosto de pensar é sedução saudável que podemos usar de tática para construir um mundo melhor. O prazer é usado como forma de convencimento na oratória desde a antiguidade e o uso da simpatia sempre deu confiança. Aprenda a dar a sensação de que precisam com honestidade.

 

Qual o sentido da vida? Talvez você já tenha encontrado essa resposta, mas para lidar com quem não a encontrou de forma que te deixem viver será preciso de criatividade e de muita esperteza enquanto eles forem necessários... A sua autenticidade como pessoa sempre convence mais do que palavras vazias. Quando você se conhecer e crescer o suficiente será capaz de ver melhor o mundo e as pessoas, então continue caminhando. As grandes obras são as que mais demoram para ficar prontas e nós somos uma grande obra que necessita de muito trabalho ainda.

 

Transformando os sonhos em realidade

 

Eu sei que o impossível acontece... Como? Isto é segredo. E é verdade que os sonhos podem se transformar em realidade, porém é muito difícil, leva muito tempo e custa muito caro. Existir não é para os covardes... Bem, isso não é para gostar e eu não gosto, é para fazer e estamos tentando. Como dizem, “rapadura é doce, mas não é mole”. A boa notícia é que é doce mesmo! Você deve ter algum sonho, um grande desejo que deve ser alcançado para completar o seu ser, a não ser que ele já esteja tão cheio de si mesmo. Saiba o usar o mundo de forma certa para alcançar o seu sonho.

 

Os sonhos são frágeis e resistentes, simples e complexos, pois tal como o mundo

eles são eles precisam ser bem cuidado para mostrar do que são capazes.

 

Para uma pessoa religiosa e coerente com a sua fé esse sonho maior é conhecer a Deus por completo. Como vimos nas questões de Santo Agostinho, para ele, esse é o sentido da vida e de todo o existir. Enquanto para um hedonista é aproveitar os prazeres que há na vida ao máximo. O prazer é justo e necessário, mas coloque valores morais no seu sonho para que ele tenha consistência o suficiente para se tornar realidade e realmente valer o esforço para se lutar por ele. E o mais importante, sugiro que o esse valor seja o eixo principal e o prazer apenas um incentivo de bom gosto.

 

Talvez o seu sonho, ou parte importante dele, seja uma família de verdade. E nesse sentido a experiência mostra que falar e cobrar são necessários, mas como paliativo porque não resolvem o problema. Não é assim em sala de aula também? Isso porque é o que você acredita e não o que repete insistentemente, e de forma vazia, que vai tocar o coração de alguém. Então, se você quer que seus pais sejam pessoas melhores seja você mesmo o que você quer que eles sejam. Isto pode tocar muito mais fundo e gerar muito mais resultado, mesmo que seja a longo prazo. Pode ser a única opção...

 

O que você acredita com autenticidade convence, por isso seja sempre autêntico consigo

para não ser enganado por mais uma visão egoísta e hedonista do mundo.

 

E talvez, na sua situação, a escola seja a sua única oportunidade de aprender os valores necessários para ser gente. Então o que será de você se a sua escolha for desprezá-la e cuspir nela? Há pessoas que possuem motivos para serem revoltadas, mas se elas machucarem a quem mais estiver por perto, o que será delas? Eu não sou o culpado de seus problemas, se você fizer pouco caso de mim vai ficar sem o que eu posso fazer por você, e nesse caso é a instrução que vai te ajudar a alcançar os seus sonhos. Eu sei, também, de gente que é revoltada sem motivo sério para tal, e assim, eles estão se envenenando merecidamente. A escolha de mudar ou não é de cada um.

 

Gerações passadas foram mais idealistas do que a nossa, elas acreditam que exista uma verdade universal, ou seja, para todos, e somente nesta verdade há sentido em viver. Hoje há uma ditadura do relativismo, impondo que cada um é livre para definir o que é verdade ou não, enquanto, na realidade, nós só escolhemos em que acreditar ou não. Isto porque a realidade é o que ela é, independente do que você acredita ou deseja que ela seja. Não foi Einstein quem disse que “tudo é relativo”, e como ironia, a própria relatividade nasceu quando Einstein postulou que a velocidade da luz era absoluta, ou seja, sempre a mesma para qualquer observador, independente do referencial.

 

Se tudo fosse relativo não haveria corona perigosa, seria apenas uma questão de

opinião, mas tem gente que morre assim. E no meu caso, você quer uma carona?

 

Então, se há uma verdade em comum nós podemos discutir a relação, tanto em sala de aula tal como em família. Assim nós estamos contrariando o pensamento de “cada um na sua” quando estamos realizando algo em grupo familiar, escolar e social. As leis nascem desse contrato social, que busca o bem comum e deve ter como referencial verdades universais a respeito do ser humano. Na escola se fala de contrato pedagógico como uma forma de estabelecer normas de convívio social que favoreçam o bem comum. Isto não é a solução definitiva, mas é um esforço que gera bons frutos.

 

Quando se discute a relação vem a necessidade do perdão, e este é o desejar o outro, querer que ele mude, sem achar que está tudo bem. Note, perdoar não é simplesmente esquecer, mas acolher sabendo o que a pessoa está sendo e lhe ajudar (ou forçar...) a mudança dos valores errados que a levam ao erro. Quando alguém está realmente arrependido essa pessoa deixa de achar bonito a situação que a levou ao erro e a evita com convicção ou até mesmo repúdio. Ou vai fazer tudo de novo... Perdoar é estar ao lado para superar o erro definitivamente, ou seria apenas esquecer um fato.

 

             

 

Perdoar é abrir uma porta, se a pessoa mudar dentro de si o que é preciso ela passou pela porta e recebeu o perdão, que é justamente estar lá dentro e não um objeto que se faz com ele o que se quiser. Ou seja, ser perdoado e não se corrigir não resolve o problema para quem foi perdoado, mas pelo menos quem perdoou se livrou da mágoa que fica machucando por toda a vida. Ao menos, para quem perdoa é sempre vantagem e isto é independente se quem foi perdoado se corrigiu ou não. E a experiência mostra que o medo das conseqüências não é arrependimento.

 

Na relação queremos decidir tudo para não sermos machucados, mas fica fácil se tornar um tirano depois com o apego à nossa idéia de liberdade. Como exemplo, temos um rei que perguntou a Platão se ele, o rei, era feliz e Platão respondeu: “Só um louco pode ser feliz e tirano ao mesmo tempo”. Lógico que não se tratava de felicidade, mas sim de uma ilusão de felicidade. Platão foi lançado na prisão e se não fosse por um amigo influente a sua carreira de filósofo teria acabado ali. Precisamos saber ter a flexibilidade certa, nem duros demais porque quebra e nem moles demais porque não funciona.

 

 

Uma construção precisa tanto de um bom projeto como de bons tijolos, e nós somos os tijolos da sociedade. Nenhum sonho que valha a pena ser sonhado pode ser sonhado sozinho, por isso o projeto dessa construção, que é nossos sonhos, precisa tanto incluir os outros e só assim será autêntico. Talvez esse egoísmo seja a razão de muitos sonhos não se realizarem... Ou talvez, seja essa a razão porque os nossos sonhos nunca se concretizam tal como nós desejávamos inicialmente. Eu acredito que, quando uma porta se fecha à sua frente é para que outra melhor se abra mais adiante.

 

Quando uma pessoa quer muito ir a um show ela passa dias ansiosa, paga caro para ir e até briga para conseguir isso. Uma pessoa que realmente quer viver não faz algumas coisas contra si mesma e com outros de quem precisa, mesmo que ela ainda seja egoísta demais. Quem tem um mínimo de inteligência tem no mínimo um mínimo de respeito... Quero dizer que, se uma pessoa quer ser gente de verdade, ela será capaz, por maior que seja a dificuldade, pois quando ela quer algo, ou seja, o seu coração está focado em algo ela faz, buscando ajuda ou não. Quantas vezes já teve sucesso em buscar algo que quis? Em especial encrenca? Se pode isso... Então a escolha é sua!