Início       Farlei        Física       Catequese 

 
 
 

      Vida extraterrestre

 

Existe vida inteligente no universo? Ele é tão grande que é difícil imaginar que só exista vida inteligente na Terra por mais especial e rara que ela seja. Essa raridade superaria a imensidão da criação? Ou nós acabaríamos nos perguntando se existe vida inteligente na Terra? Nesta aula iremos refletir sobre os aspectos científicos, históricos e filosóficos sobre a questão da vida extraterrestre e saber o que a física pode e deve dizer sobre o assunto. Você tem coragem o suficiente para pensar?

             

 

Vamos conhecer a história e saber como tudo isso começou.

 

As especulações científicas sobre vida em outros planetas começam com o trabalho do italiano Giovanni Schiaparelli, que em 1877 mapeou uma rede de linhas que pareciam artificiais, estas eram retas e cruzavam a superfície de Marte. Ela as chamou de “canalis” que significa “leitos de rios” ou “sulcos”, mas estas foram traduzidas para o inglês como “canals” que significa canais construídos artificialmente. Isso alimentou a imaginação de muitas pessoas e em 1898 o escritor inglês Herbert George Wells escreveu o livro de ficção “A Guerra dos Mundos” com os marcianos invadindo a Terra.

 

  Herbert George Wells

Schiaparelli e seu mapa de Marte a esquerda, Wells e seus marcianos a direita.

Leia mais sobre a invasão de Wells no site www.ceticismoaberto.com.

 

Devemos lembrar da tecnologia da época, pois durante a 2ª Guerra Mundial já haviam aviões no formato de uma asa voadora, como o N1-M da Northrop, desenvolvido entre 1939 e 1940. Por exemplo, nessa época os ingleses perceberam o interesse dos alemães pelo paranormal e fizeram material de contraespionagem... Já na década de 1950 é crescente a paranoia da Guerra Fria e toda essa história foi se transformando em um folclore moderno, não poderiam os EUA usar da fértil imaginação popular para usar a questão extraterrestre como contra espionagem com a Rússia?

 

Tecnologia da 2ª Guerra Mundial e imagem inspirada na obra de H. G. Wells.

 

A imagem de extraterrestres que se popularizou nos EUA é de homenzinhos cinzentos e de cabeça grande, os grays (cinzentos). Lembre-se que os marcianos de H. G. Wells eram como um polvo, com cabeça e olhos grandes, de cor escura, com tentáculos e se alimentavam de sangue... Com o tempo essa imagem foi sendo humanizada e temos algo semelhante a um feto humano, o que permite forte envolvimento psicológico. Isso se encaixa no contexto da formação de lendas urbanas, o folclore moderno.

 

E nós já tentamos construir um disco voador! A empresa canadense Avro Aicraft Ltda desenvolveu um disco voador para a aeronáutica dos EUA, mas infelizmente o projeto foi abandonado em 1961 por ser muito mais difícil de manobrar do que se imaginava. Se esperava que a rotação da turbina daria um grande equilíbrio nesse projeto, tal como a rotação de um peão ou a roda de uma moto a mantém estável durante o movimento. Hoje já temos jatos de pousam e decolam na vertical, mas sem formato de disco.

 

 

No ano de 1977 a NASA enviou uma sonda espacial chamada Voyager, que entre os seus equipamentos científicos havia um disco de ouro com imagens de pessoas e instruções de como escutar os sons gravados nele. Sons tais como musicas, barulho do mar, criança chorando... Também havia um meio de localizarem onde fica nosso planeta com base em alguns pulsares, assim qualquer civilização extraterrestre que o encontrasse poderia saber um pouco de nós e até tentar entrar em contato.

 

     

A sonda Voyager e o seu disco de ouro com informações da Terra.   Filme Contanto.

 

Um importante projeto de “Busca por Vida Extraterrestre” é o SETI, que analisa sinais de radio do espaço para encontrar uma civilização em algum lugar. Se for capitado tal sinal ele será confirmado por vários pesquisadores no mundo inteiro e isso não permitirá nenhum governo tentar esconder o fato. Foi com base nas pesquisas do SETI que o astrônomo Carl Sagan escreveu o livro “Contato”, que virou filme um pouco depois da sua morte. Sagan era ateu e vemos uma mensagem nas entrelinhas do filme...

 

Teorizando que nossa civilização já foi visitada por alienígenas no passados, em 1968 o suíço Erich von Däniken publicou o livro “Eram os Deuses Astronautas?”. Tais questões foram combatidos por acadêmicos de todo o mundo por não serem provas. Por isso imagine, se um homem das cavernas desenhasse um colega muito cabeçudo, isso seria uma prova de alienígenas entre eles? Tem mais, von Däniken pensa que Jesus era um híbrido humano-alienígena... Eu não concordo com isso, mas concordo que o geral traz uma reflexão interessante, desde que analisado com sensatez.

 

A obra medieval “Crucificação”, de Monastero di Visoki Decani, em Kosovo.

Leia o que o italiano Diego Cuoghi tem a dizer em www.sprezzatura.it.

 

Na imagem acima temos uma pintura em uma igreja que apresenta algo que parece ser duas naves espaciais tripuladas, durante a crucificação. No canto temos outra obra da época com o Sol e a Lua com rostos, como era comum naquela expressão artística. Seria isso apenas um desenho do Sol e da Lua ou algo que o autor viu ou pensava? Não há como provar se essa obra se referia a um avistamento, pois o autor só poderia falar assim naquela época, ou se seria apenas a explicação mais simples, a criatividade.

 

Quando lembramos que “Cristo morreu uma única vez pelos pecados” (1Pd 3,18) aqui em nosso planeta, entre tantos outros, encontramos uma estatística absurda, tão quanto a Terra ser visitada a muito tempo. Pesquise como a sua religião trata do assunto... Como não há provas extraordinárias de uma hipótese extraordinária, então por prudência a Igreja Católica entrega o assunto para a ciência e só discute esse assunto com base na astronomia, como podemos ver na entrevista com o pe. Funes. 

 

Raio bola produzido por pesquisadores da UFPE e uma imagem antiga.

 

E como explicar muitas luzes misteriosas que são vistas no céu a noite? Na resposta mais simples estas podem ser raios bola ou relâmpagos globulares, que John Abrahamson e James Dinniss, da Nova Zelândia, explicaram como vapor de silício formado após um relâmpago atingir o solo, que assume a forma de uma esfera por causa da carga elétrica na superfície e gera brilho na interação com o oxigênio. Temos registros de movimento aleatório, barulho de zumbido, cheiro de ozônio ou enxofre, interferência em rádio e que podem explodir. Você vai querer olhar um de perto?

 

Nos mapas da superfície de Marte do astrônomo Giovanni Schiaparelli existem muitas linhas retas, que hoje entendemos como vales profundos, como o Grand Canyon nos EUA. Porém na época isso alimentou especulações por um jovem escritor de ficção científica, que imaginou uma civilização em um planeta desértico e desesperada pela falta de recursos naturais, por isso viria a invadir a Terra. Que autor era esse?

a) Júlio Verne.

b) Thomas Edson.

c) H. G. Wells.

d) Nicola Tesla.

e) Erich von Däniken.

 

A exploração espacial está no encalço da vida extraterrestre!

 

O planeta Marte é o lugar fora da Terra mais perto para se encontrar vida, como fósseis de bactérias de milhões de anos atrás. Um exemplo é o meteorito ALH 84001 que foi encontrado na Antártica, este poderia ser um fragmento de Marte lançado no espaço após um impacto que o fez vagar 4 ou 5 bilhões de anos, até cair aqui a 5 milhões de anos atrás. Ele foi estudado em 1996 e apresentou fortes indícios de micro-fósseis do organismos unicelulares, ou seria querogênio produzido na contaminação terrestre. 

 

 

Para que um planeta possa desenvolver vida tal como a conhecemos ele precisa estar a uma distância boa da sua estrela, nem perto de mais para não permitir água líquida com altas temperaturas e nem longe de mais para ser tão frio que também não haja a água líquida. De acordo com as condições da estrela teremos a sua zona habitável, que no nosso sistema solar ela fica entre Vênus e Marte. Não só isso, há outros fatores que influenciam em como essa vida será, tal como a gravidade, a rotação, a quantidade de água, a química do ambiente, a pressão atmosférica e muito mais.

 

 

Os problemas não acabaram ainda, existe uma Zona de Habitação Galáctica, também chamada de Goldilocks Zone que significa Zona dos Cachinhos Dourados. Isso porque uma estrela não pode estar muito perto do centro da galáxia, para seus planetas não serem atingidos pela mortal radiação do centro galáctico, e nem longe demais, pois a essa distância é raro a formação de super-novas. Estas são as estrelas que forjam os átomos, especialmente os mais pesados,  sem os quais não haveria nem o planeta.

 

 

 

Na nossa galáxia apenas 10% das estrelas estão na zona habitável e se considerarmos a necessidade desta em uma órbita de baixa inclinação com o plano galáctico, para evitar cruzamentos perigosos que poderiam sacudir a nuvem de Oort que guardam os cometas. Tudo isso reduz em apenas 5% o número de estrelas que possam abrigar planetas com boas chances de habitarem vida. Isso reduz a chance de encontrar lugares para haver vida, mas com a imensidão do universo esse fato é apenas um detalhe.

 

Para que um planeta possa habitar vida ele precisa estar a uma distância adequada da sua estrela e esta, por sua vez, a uma distância adequada do centro da galáxia. Apenas essas condições já limitam em bastante o número de planetas possíveis de haver vida. Quais são as condições necessárias para essas duas zonas habitáveis?

a) Água líquida, baixa radiação e elementos químicos adequados.

b) Água líquida, baixa pressão e gravidade adequada.

c) Ausência de efeito estufa e órbitas bastante elípticas.

d) Poucos asteróides e cometas, mas muitos satélites.

e) Bastante água e pouca radiação espacial.

 

Uma estimativa para calcular a densidade populacional do universo é a equação de Frank Drake, de 1961. Porém ela funciona sobre suposições e não em fatos, tanto que não leva em consideração a colonização de outros planetas na dinâmica populacional. Na equação a seguir fazemos uma estimativa do número  “N” de planetas que possam se comunicar conosco. Mas se não tem precisão de que adianta? Essa equação é a melhor forma de estimativa que nós temos hoje e deve contribuir para a reflexão.

 

N = R*.fp.ne.fl.fi.fc.L

A famosa equação de Drake, que para a Via Láctea tem,

N = 7 × 0,5 × 2 × 0.33 × 0,01 × 0,01 × 10 000 = 2,31.

 

Nesta equação de Drake,R*” é a taxa de formação de estrelas por ano na galáxia, “fp” a fração de estrelas que possuam planetas em órbita, “ne” o número médio de planetas habitáveis, “fl” a fração de planetas que realmente desenvolvam vida, “fi” a fração de planetas que desenvolvam vida inteligente, “fc” a fração dos que possam e queiram se comunicar e “L”o tempo em anos esperado de vida de tal civilização.

 

A equação de Drake é uma estimativa usando dados imaginários, ou seja, é um chute! Assim ela não parece algo muito científico, mas é o melhor “chute” que a ciência pode dar atualmente e como não temos coisa melhor é esse mesmo... Ainda assim representa as melhores estimativas das pessoas que mais entendem desse assunto, ou seja, palpite por palpite qual você prefere? O que essa equação pretende dizer?

a) Número de planetas com vida inteligente na Via Láctea que farão contato.

b) Número de planetas com vida na galáxia que possam ser habitados por nós.

c) Número de planetas com vida que estejam perto o suficiente de nós.

d) Número de civilizações que queiram e possam fazer contato na nossa galáxia.

e) Número de discos voadores que visitam a Terra por ano.

 

Quando as chances de encontrar vida nos parecem pequenas, ainda temos o problema da velocidade da luz para piorar. A luz viaja no vácuo a 300.000 km/s e na medida que nos aproximamos dessa velocidade torna-se evidente a energia dado ao movimento se transformando em energia na forma de massa, segundo  E = m.c2, sendo “E” de energia medida em joules, “m” de massa em kg e “c” da velocidade da luz como 3.108m/s. Ou seja, isso torna impossível viajar mais rápido do que a luz de forma convencional.

 

           

Limite de velocidade e cogumelo nuclear da relação massa e energia. Busque um livro...

Tópicos de Física Moderna. Dulcidio Braz Júnior. Editora Companhia da Escola. 2002.

 

Para podermos viajar as longas distâncias na nossa galáxia de forma viável será preciso que teorias como a dobra espacial ou os buracos de minhoca realmente sejam mais do que boas explicações matemáticas. Ou seja, que funcionem e compensem! Mas como nós ainda temos muito o que aprender, nos próximos séculos ou milênios poderemos descobrir algo que hoje nem éramos capazes de imaginar. Ninguém tinha imaginado a relatividade antes de Einstein... Em último caso, talvez se possa apelar para um milagre.

 

Vamos tentar construir um disco voador? E com a tecnologia atual!

 

Eu não pretendo te mandar para o espaço... Os meus planos são piores, eu quero que você aprenda um pouco de física nesse exercício de imaginação, mas iremos com calma para isso não te mandar tão rápido para um hospício. Você já sabia que dizem que a física é coisa de louco, mas é melhor ser considerado louco por essa gentalha do que ser mais um deles. Pare com essa cara feia, só piora o que já nasceu mal feito. Me desculpe, se você for uma pessoa bonita e inteligente o suficiente para estar gostando...  

 

 

 

O formato de um disco voador é semelhante a uma asa de avião, curvo em cima e plano em baixo, isso faz com que o ar se mova mais em cima e assim fica mais rarefeito. Isso gera uma pressão menor em cima do que em baixo e tal diferença de pressão faz com que as asas sejam chupadas para cima como o refrigerante me um canudinho. Há aviões em formato de asa, mas nenhum deles precisaria ter gravidade artificial no espaço e existe um formato que permitiria muito bem as duas coisas!

 

              

 

Você já viu o globo da morte no circo? As motos são rápidas o suficiente para não cair, o mesmo acontece no looping de toda montanha russa. Esse fenômeno se deve a força centrípeta e teremos o mesmo efeito em uma estação espacial girando, e para melhor aproveitar isso ela poderia ser feita no formato de uma simpática rosquinha... Um disco voador poderia ter uma tal arquitetura para aproveitar essa combinação de formato de asa com estação espacial para voar bem e capaz de gerar gravidade artificial. O que parecia impossível pode ser feito, mas ficaria muito estranho lá dentro...

 

Quando esse disco voador estivesse em um planeta a base dele seria o chão, mas no espaço ele começaria a girar e a parede mais longe do centro seria o chão para que ele possa gerar um efeito de gravidade, que seria mais forte quanto mais estivesse longe do centro. Como seriam os corredores dessa nave? Tente imaginar o banheiro então! Vida de alienígena não deve ser fácil... No filme “2001 Uma Odisséia no Espaço” a estação espacial fica girando para ter gravidade artificial, mas ela só fica no espaço e assim está livre dessa complicação toda de um disco voador.

 

 

A gravidade artificial parece coisa de ficção científica e é quando apenas um botão é apertado, a nave fica parada e tudo fica como se estivesse na Terra. No mundo real é possível simular o efeito da gravidade simplesmente por estar acelerando e assim gastando combustível ou de uma outra forma sem gasto de energia, mas algumas coisas ficam diferentes. Como se faz para uma estação espacial simular a gravidade no espaço sem gastar energia durante o processo?

a) Orbitar uma estrela na distância adequada para manter o equilíbrio.

b) Deixar ela girando na velocidade angular certa para a gravidade desejada.

c) Suspender a blindagem de material supercondutor e resfriá-lo.

d) Instalar as camadas de metamaterial para refletir as ondas gravitacionais.

e) Planejar uma arquitetura interna que em seu formato gere o efeito.

 

Não teremos problemas com o governo se os nossos discos voadores forem invisíveis! Existe algo novo. Os materiais naturais são determinados por sua composição química, enquanto os metamateriais dependem da sua estrutura física. Inventaram um composto de placas que cujas propriedades desviam as ondas eletromagnéticas e as reorganizam como antes. São anéis de placas que desviam a luz do centro e assim não se vê o que está no interior. Já foi testado e funciona com microondas, mas falta muito para funcionar com a luz visível. Não tenha pressa para ter uma capa de invisibilidade...

 

   

Imagens do metamaterial que funciona com micro-ondas. Este é o primeiro, o que há por vir?

 

Será possível construir um campo de força especificamente com raios laser, ao ejetar uma camada de plasma sobre um avião, porque este absorve bem o laser. O dano será perto do avião, mas não no avião! Nós conhecemos os estados sólido, líquido e gasoso da matéria, e mais aquecido do que o gasoso é o plasma. O Sol é uma bola de plasma. O campo de força deve ser usado de forma a não derreter a fuselagem do avião e apenas em combate para não esgotar o estoque do gás que vai gerar o plasma.

 

A fonte de energia, como sempre é um problema... Mas como exemplo podemos ter em mente que o primeiro submarino nuclear, o Nautilus de 1954, viajou por todo o mundo durante 5 anos gastando apenas 5 kg de plutônio. Com milhões de anos na nossa frente uma civilização poderia ser capaz de fazer muito melhor do que isso, talvez com a fusão nuclear ou com a antimatéria. Nós temos reatores de fusão nuclear, que geram mais de 14.000.000 °C, temperatura do núcleo do Sol, infelizmente eles consomem mais energia do que conseguem fornecer, ou seja, ainda não compensa.

 

O motor iônico tem boa funcionalidade para satélites por baixo consumo de combustível.

 

 Uma forma de propulsão já bem conhecida é o motor iônico, útil para dar pouco uma pequena força a longas distâncias no espaço. A sua vantagem é a pouca quantidade de combustível necessária, pois um gás ionizado com carga positiva é ejetado, focalizado e depois repelido por um campo elétrico. Onde ocorre a força. Por último são liberados elétrons no gás para equilibrar a carga, pois se a carga ficar igual não há mais repulsão e o foguete não funcionaria. Um aspecto importante é que só funcionam bem no vácuo e com força menor que a da combustão, pelo menos com a tecnologia atual. 

Uma forma de flutuação que existe é por meio de supercondutores. Alguns materiais em baixíssimas temperaturas possuem resistência elétrica zero e refletem o campo magnético do ambiente (efeito Messner). Porém, por mais fenomenal que sejam as propriedades do material de um disco voador, este deveria ser muito pouco denso, tal como um balão, para ser capaz de flutuar no campo magnético da Terra. Essa não deve ser a resposta, mas poderia haver algo mais assim que nós ainda nem imaginamos...

 

 

Seja qual for a tecnologia extraterrestre, obviamente, eles serão obrigados a respeitar a 3ª lei de Newton, a ação e reação. Então sempre deveremos pensar de forma que isto seja possível ou estaremos apenas desperdiçando imaginação. Todas as tecnologias que vimos aqui não são capazes de construir um disco voador, mas podem ser o alimento para os futuros inventos dessa realidade. Nenhum adivinho previu a internet ou os computadores, cuja linguagem nasceu de teares mecânicos... De onde nascerão as novas tecnologias? O ceticismo e as certezas atuais são igualmente limitados.

 

O momento do encontro! Como seria o processo de contato?

 

O anuncio da descoberta de vida extraterrestre seria, sem dúvidas, a notícia do século, mesmo que seja uma pequena bactéria ou um fóssil minúsculo. Porém seria ainda mais surpreendente se nós descobríssemos que estamos sendo visitados desde o começo da nossa história e já temos fortes laços com eles. Como seria se comunicar com alguém milhões de anos mais evoluído do que nós em ciência, política, filosofia e teologia? Isso vai transformar profundamente toda a nossa sociedade. E a nossa responsabilidade de respeitar os nossos próprios direitos humanos, poderia ser cobrada?

 

 

 

Há uma pulga atrás da orelha em um futuro puxão de orelha? Talvez seja esse o motivo de governos esconderem isso... Ou é tudo fruto da nossa imaginação? Um bom assunto para o futuro será a exopolítica, pois tal como a exobiologia estuda como seria a vida em outros planetas, nós poderíamos fazer um esforço de imaginação para o que será as relações entre diferentes planetas. Pense, tal como existe uma Organização das Nações Unidas (ONU), também existirá uma ONU galáctica? O que eles fazem, a nível militar, com governos tiranos que exploram nações pobres e indefesas? 

 

 

Toda a carga de informação nova seria uma avalanche cultural sobre nós só pelo fato de saber o que o resto do universo pensa! A nível teológico seria novos horizontes para religiões sérias e autênticas, mas o que seria de quem é vítima voluntária de lavagem cerebral e paranóia? Toda essa imaginação pode fazer a sua mente ferver e não chegar em nenhuma resposta útil, de forma que a única coisa prudente a fazer é cuidar da sua vida direito e ficar tranqüilo com base na sua honestidade. Ou você não pode?

 

   

 

Já discutimos as possibilidades de existir vida no universo e de sermos visitados por alienígenas, sobre haver vida a comunidade científica já acredita bem, mas sobre nós sermos visitados a coisa é diferente. Vimos argumentos favoráveis e contrários, e ambos podem dar respostas possíveis para o que percebemos. Mas qual seria a resposta lógica? Segundo o monge inglês do século XIV, William de Ockham, “se em tudo o mais forem idênticas as várias explicações de um fenômeno, a mais simples é a melhor”. Esta é a navalha de Ockham e por meio dela os discos voadores não existem.

 

No filme “Contato”, de Carl Sagan, a navalha de Ockham é usada como prova de que nunca houve um contato com os alienígenas (que no filme eram ateus). Por meio desse princípio lógico as pessoas decidiram continuar como estavam, de uma forma com que devemos nos questionar da nossa honestidade quando isso toca os nossos interesses. Eu não tive uma boa impressão das intenções do autor em sua reflexão, mas também você deve se questionar das minhas intenções nesse texto. Exercer a sua liberdade exige o ato de pensar vigorosamente e querer a verdade seja ela como for.

 

 

Atualmente existe um movimento por liberdade de informação de dados militares sobre objetos voadores não identificados (ovnis). Isso já liberou os relatórios de muitas coisas sem explicação e, obviamente, não afirmam serem naves tripuladas por extraterrestres. São apenas pilhas de relatórios de luzes e coisas do gênero. Seriam raios bola? Aviões secretos? Satélites? Vaga-lumes? Vários países já aderiram, inclusive o Brasil, e eu tive a oportunidade de participar deste abaixo assinado. Como vimos, isso não vai anunciar a vida extraterrestre ao mundo, mas é uma transparência simples e necessária.

 

 

No final de 2010 a NASA anunciou a descoberta de um microorganismo capaz de lidar com o selênio, uma substância muito tóxica, em seu DNA. Esse pequeno detalhe não prova a existência de vida fora da Terra, mas mostra como a vida é mais resistente do que se pensava e aponta novos lugares onde possa haver vida, o que poderia exigir correções na equação de Drake. Como foi a reação da comunidade científica?

a) Reagiu com ceticismo e vai inventar contra-argumentos.

b) Como a NASA tem credibilidade ela ficou desanimada.

c) Os agentes do FBI já devem ter queimado os arquivos.

d) Como é do interesse dela não será exigido mais provas.

e) Ficou empolgada e vai fazer mais pesquisas.

 

 
 
 

      Atividade

 

Faça um anúncio de jornal, entre 10 a 15 linhas, sobre a descoberta de vida extraterrestre como se você fosse um jornalista. Você escolhe se foram bactérias em uma lua de Saturno, fósseis vistos por astronautas em Marte, discos voadores na sede da ONU, Washington, Vaticano... Porém é indispensável que esse texto demonstre domínio da linguagem científica tratada aqui nessa aula. Ou seja, mostre que você leu tudo e aprendeu alguma coisa. Não esqueça de colocar o seu nome, número e série. Veja, a seguir, os melhores e depois deixe o seu texto no Fórum.

 

No dia 12 do mês passado foram filmadas por 2 horas e por milhares de pessoas 12 naves em formato de disco fazendo manobras sobre a sede da ONU, em Nova Iorque, os especialistas ainda não conseguiram decifrar a intenção das manobras, exceto serem símbolos muito antigos e de várias culturas. Hoje a NASA emitiu relatório oficial sobre os efeitos magnéticos observados na região do evento, que confirmou anomalias magnéticas em materiais coletados no alto dos prédios próximos que sugerem a dopagem usada em supercondutores. Talvez tivessem transformado a atmosfera ao seu redor em um meio supercondutor, apesar dos especialistas afirmarem que é impossível. Os relatos sem provas de avistamentos de discos voadores são recordes em todo o mundo, o que prova o grande número de mentirosos e de pessoas facilmente sugestionáveis. Por outro lado, os céticos ainda não se renderam, visto que a Casa Branca ainda não baixou o alenta máximo contra terrorismo. E a aeronáutica não explicou como o poder de fogo dos aviões foram neutralizados pelas 12 naves sobre a ONU. Quando ontem foram liberadas as imagens de uma nave rodeando a Estação Espacial Internacional era de se esperar uma outra postura das autoridades responsáveis. Líderes religiosos continuam emitindo diariamente mensagens de paz, e como exemplo temos a vigília de oração iniciada pelo Papa. A população em geral está recusando as especulações de maior exagero depois de um mês de suspense, que aliás, está transformando os nervos de todos nós...
Farlei Roberto Mazzarioli. www.farlei.net. 23/12/2010.

 
Especialistas da NASA divulgaram hoje numa coletiva com a imprensa, em Houston, as explicações sobre o rumor dos micro-fósseis serem autênticos. Trata-se do meteorito que foi encontrado na Antártica em 1996, um possível fragmento de Marte lançado no espaço após um impacto e caiu aqui a 5 milhões de anos atrás. Quando foi estudado, o meteorito apresentou fortes indícios de micro-fósseis dos organismos unicelulares ou que seria querogênio produzido na contaminação terrestre. Até então não havia certeza, mas na manhã dessa terça-feira, foi oficialmente divulgado que os indícios de fósseis não eram contaminação. O que dá sustentação à idéia de que um dia existiu vida em Marte, caso realmente esse novo estudo esteja correto. Por outro lado, há aqueles que defendem firmemente a idéia de que não é possível a existência de vida extraterrestre, mas a existência dos micro-fósseis de organismos unicelulares são consistentes, e assim sendo, as chances de que possa existir sim vida em lugares que não se limitam a Terra já são concretas.
Ana Carolina Pereira Xavier, 2º B. Lopes Borges. 27/02/2011 18:30hs.

 
Na noite do último dia 14, durante uma missa solene no Vaticano celebrada pelo Papa Bento XVI, ocorreu um dos acontecimentos mais marcantes e surpreendentes da história da humanidade; quando três naves circulares começaram a dar voltas na Praça de São Pedro. Os presentes saíram correndo e logo a praça ficou vazia; e é claro a segurança do Vaticano foi ativada para proteção do Papa. As naves continuaram no local por mais 20 minutos e logo partiram; mas antes de irem deixaram cair na fonte no centro da praça o disco de ouro enviado ao espaço pela NASA em 1977 na sonda Voyager, com informações sobre a Terra e de como chegar até ela, com a idéia central de avisar qualquer tipo de vida inteligente que pudesse tentar entrar em contato com a civilização humana. O Vaticano devolveu no dia seguinte aos cientistas da NASA a peça da Voyager e permitiu que estudassem o local, os quais já levaram a placa para melhor avaliação em laboratório. Ainda não foi liberado aos fiéis o acesso a praça de São Pedro.
Caroline Cassoli Gonçalves, 2º B. Lopes Borges. 15/02/2011 17:55hs. 


Exatamente no dia 4 de maio, a população de uma cidade do interior de São Paulo afirma ter visto um objeto aparentemente grande no céu, que supostamente seria um disco voador. Desde então boatos foram se espalhando, abduções e que os “ETs” querem dominar a terra. Especialistas estão averiguando todos os detalhes dessa “aparição”, para saber o que era aquele objeto e se os boatos são verdadeiros, mais até agora nada foi divulgado, os moradores continuam assustados desde então. Será que o inglês Herbert George Wells o autor do livro “A Guerra dos Mundos” escreveu só uma ficção ou ele sabia muito mais do que parecia? Ou seria apenas mais um caso de histeria em massa, como quando a rádio CBS adaptou a história de Wells à sua região? A Aeronáutica há pouco tempo divulgou que no mesmo dia da “aparição” do objeto foi detectado pelos seus satélites um objeto, mas não conseguiram saber exatamente o que era. Desde então mais nada foi divulgado, ninguém sabe se era mesmo um disco voador ou se era só a imaginação da população. E assim continua o mistério, há vida extraterrestre? Nós estamos sendo visitados?
Débora Niemoto, 3ºA. Lopes Borges. 15/05/2011 22:47hs.
 
No último sábado, foram avistados em todo o mundo bolas luminosas vindas do céu. A população se assustou. Muitos cientistas afirmaram ser o fenômeno chamado raio bola ou relâmpago globular. Mas como poderia ser o tal raio bola, sem nem ao menos havia tempestade em tais locais, nem em suas redondezas. No dia seguinte foram detectadas mensagens vindas do céu, por todos os radiotelescópios do mundo, em uma língua desconhecida por nós. Muitos especialistas foram convocados para decifrar o código. Pessoas acreditam ser o fim do mundo, muitos começaram a entrar em desespero. Na noite de terça-feira algo surpreendente acontece. Uma nave pousa em frente à Casa Branca. Seres vestidos de branco, irradiando uma luz de seu corpo desceram da nave. O mundo ficou apreensivo, mas felizmente, bem a tempo os especialistas entenderam a mensagem, e foram ao encontro dos extraterrestres. Em troca, esses seres nos deram um objeto curioso, se despediram fazendo uma saudação, e decolaram. Hoje, sexta-feira, os cientistas divulgaram a mensagem dos extraterrestres: “Queridos amigos desse planetinha azul, queremos agradecer o presente que nos enviaram, ficamos muito felizes em conhecer um pouco de vocês. Por isso em troca daremos alguns dos nossos conhecimentos, para que vocês também nos conheçam melhor.” Os pesquisadores disseram que o objeto que eles nos deixaram é de uma tecnologia muito avançada, e levará um tempo para entender todos os detalhes, e também poder entender sobre como eles vivem e o que são. Com certeza a partir de hoje tudo mudará.
Carolina Beatriz Baptista, 3º A. Lopes Borges. 13/05/2011 17:41hs.

 
Uma descoberta acaba de revolucionar nossa atual concepção de vida. O mundo pôde acompanhar o pronunciamento do presidente estadunidense Barack Obama sobre uma iminente intervenção militar na Coréia do Norte. Emissoras de televisão, rádio, internet e, permita-me dizer, até mesmo sinais de fumaça transmitiram as palavras de Obama, assim os olhos do mundo inteiro, e não apenas deste mundo, tiveram um só foco: A Casa Branca. Digo “não somente deste mundo” porque ao término do discurso o inesperado aconteceu, algo de formato obtusângulo surgiu nos arredores da Casa Branca, era extremamente brilhante, entretanto, o que mais instigava era sua estrutura, parecia que não era constituída de apenas 3 dimensões, dessa forma, estava ali diante de todos uma surrealidade. Provavelmente essa “nave” tinha essa estrutura a fim de conseguir se estabelecer em nosso planeta. A princípio, alguns, que não se deixam levar por meras emoções, acreditaram que se tratava de um raio bola, hipótese esta que logo foi descartada, afinal não havia nem sinais de tempestades na região, ou de algo capaz de formar um raio. Outros apelaram para o fato de ser alguma manifestação da Coréia do Norte ao saber que a reunião se tratava de resolver seus problemas internos, hipótese sem nenhum fundamento, ora um ser humano não era capaz de construir tamanha grandiosidade. Antes que a "nave" fosse embora os seguranças de Barack Obama foram acionados e zelaram por sua integridade física, com ele nada aconteceu, mas algumas pessoas que ali estavam faleceram, não devido a causas extraterrestres, mas pelo pânico e desespero, ou seja, morreram com medo de algo que nem conheciam. Qual o impacto que causará nas religiões? Essas são páginas futuras do mistério do existir...
Fernando de Souza Silva, 3º A. Lopes Borges. 08/05/2011 19:14hs.